Filosofia

>> Sentido da Vida >> Verdade >> Razão >> Religião

Idiossincrasia

>> Politicamente Incorreto >> Máximas Kaduzianas >>

Mixórdia

>> Tudo o que não se encaixa nos demais temas deste blog

Poesia

>> Poesias que rabisquei ao longo da vida

Tecnologia

>> Tendências >> Google >> Gadgets >> Informática

Home » Mixórdia

Uma música – A Lista, Oswaldo Montenegro

Postado por , terça-feira, 23 de dezembro de 20084 Comentários

A Lista é uma música que incomoda. É triste e nostálgica. Escancara uma realidade que a atividade prática de viver costuma esconder. No trajeto de nossas vidas, gradativamente e de forma imperceptível, abandonamos sonhos, amigos, idéias e ideais. Não nos damos conta destas perdas, nem das transformações que sofremos.

Ouça a música com atenção e reflita. Responda para si mesmo cada uma das perguntas feitas pelo autor. Certamente o impacto será maior naqueles que já passaram dos trinta.
Abaixo as minhas respostas.

Faça uma lista de grandes amigos. Quem você mais via há dez anos atrás? (sic)
Meu pai, minha mãe, minhas irmãs, minhas avós, Daniel, Tuim, Zumbi, Kiria, Felipe, Flavia, Flavio, Goni, Gustavo, Tatiana, Victor, Marcos, João Felipe, Mineiro, Tolstoi, Alexandre, Marina, Camila, Patrícia, Raul, Jaqueline, Carol, Raphaela, Bruno, Girafalis, Pedro, Ana Claudia, Renato, Roberta, Leo etc.

Quantos você ainda vê todo dia?
Nenhum. Com alguns eu ainda converso com freqüência pelo messenger ou por email, mas não os vejo mais todos os dias. Com outros troco algumas palavras no natal e em seus respectivos aniversários. É pouco. Quase nada. Mas a correria do dia-a-dia atropela qualquer intenção de reaproximação.
Há ainda aqueles de quem eu nunca mais tive notícia. Amigos que nem Orkut possuem para que eu possa saber se estão bem.
Há dez anos eu via meus pais e minhas irmãs todos os dias. Há sete, me mudei para São Paulo. Meu pai morreu há um ano. Sinto muita falta dele. Minha mãe e minhas irmãs eu encontro umas oito vezes por ano. É muito pouco.

Quantos você já não encontra mais?
Muitos. Há dez anos eu morava em Boston. Fiz muitos amigos lá, pessoas legais que evaporaram com o passar dos anos. Só mantenho contato com umas cinco ou seis pessoas que conheci em Boston. Dos amigos de faculdade, muitos também se foram. Às vezes esbarro com alguns nos aeroportos da vida. A alegria de revê-los contrasta com a tristeza nostálgica de ter ficado tanto tempo sem ver alguém que estimo.

Faça uma lista dos sonhos que tinha. Quantos você desistiu de sonhar?
Muitos. Cito dois bastante ambiciosos.

Eu queria mudar o mundo. Desisti. Sei que não conseguirei. Procuro apenas fazer o que me cabe e ajudar quem eu posso.

Eu queria ser feliz. Também desisti. Descobri que essa é a maior das utopias. “Um adulto”, como disse o filósofo André Comte-Sponville, “é alguém que renunciou à felicidade, que não acredita mais nela e nem se interessa mais por ela. Isso não o impede de viver. Não o impede de amar. Em suma, de não ser infeliz.”

Quantos amores jurados pra sempre. Quantos você conseguiu preservar?
Nenhum. Estou casado há um ano, com a mesma mulher que namorei por três. Nunca fiquei tanto tempo com uma mesma mulher. Espero que daqui a seis eu possa possa responder que consegui preservar um amor jurado pra sempre.

Onde você ainda se reconhece, na foto passada ou no espelho de agora?
Fisicamente mudei pouco. Perdi fios de cabelo e ganhei rugas, mas não estou muito diferente de dez anos atrás. Creio que os efeitos do tempo ficarão mais evidentes daqui a dez anos. Infelizmente.

Hoje é do jeito que achou que seria?
Não.

Quantos amigos você jogou fora?
Muitos. Não sinto falta de todos. Mas gostaria de poder voltar no tempo e remendar os laços partidos com alguns deles.

Quantos mistérios que você sondava? Quantos você conseguiu entender?
Os mistérios de antes são os mesmos que me acompanham até hoje e, creio, continuarão comigo até eu morrer. Não consegui entender nenhum. Já me conformei que possivelmente morrerei sem entendê-los. A saber, qual o sentido da vida?, Há um sentido? Se há, por que o ignoramos? O que acontece depois que morremos? Nossos valores são absolutos ou relativos? E por aí vai…

Quantos segredos que você guardava hoje são bobos ninguém quer saber?
Só me lembro de um. Morria de tesão pela irmã da minha namorada da época.

Quantas mentiras você condenava? Quantas você teve que cometer?
Eita! Assim, de bate-pronto, não me lembro de nenhuma. Mas, com certeza, com o passar dos anos fiquei mais flexível e menos intransigente comigo mesmo e com os outros. Logo, é possível que eu tenha feito algo que antes eu condenava.

Quantos defeitos sanados com o tempo eram o melhor que havia em você?
Há dez anos eu era mais impulsivo. Hoje sou completamente racional. Uma pessoa prática e pragmática. Não acho que a minha impulsividade era o melhor que havia em mim. Mas é possível que algumas pessoas achem.

Quantas canções que você não cantava hoje assobia pra sobreviver?
Esta pergunta se parece com uma anterior. Acho natural que as pessoas amadureçam, revejam posições e mudem de opinião, mas não me lembro de alguma “canção” específica.

Quantas pessoas que você amava hoje acredita que amam você?
Há dez anos eu só amava, com aquele amor incondicional, meus familiares mais próximos: meu pai, minha mãe, minhas irmãs. Meu pai, como eu já disse, morreu ano passado. Minhas mãe e minha irmãs eu acredito piamente que ainda me amam.

—-x—-

Há uma poesia de Cecilia Meireles que sempre me vem à cabeça quando ouço A Lista. Música e poesia se complementam.

Retrato
Eu não tinha este rosto de hoje,
Assim calmo, assim triste, assim magro,
Nem estes olhos tão vazios,
Nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
Tão paradas e frias e mortas;
Eu não tinha este coração
Que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
Tão simples, tão certa, tão fácil:
- Em que espelho ficou perdida
A minha face?

Popularity: 1% [?]

4 Comentários »

  • Bárbara Semerene disse:

    Ei, menino, também já tinha entrado aqui e dado uma boa bisbilhotada pelo site. Fiquei fã da sessão mixórgia. Mas o que mais me chamou a atenção foi a edição da página, mais parece um site do que um blog. Quero ser igual a você quando eu crescer! Rs!
    Beijo e parabéns
    Babi

  • LuizJogos disse:

    Oi colega! Eu nao sou mto de fazer comentarios, mas gostei mto de seu site! Gostaria de te dar meus parabens! Continue assim!

  • Valteria disse:

    Olá…Estava procurando a letra da musica A lista e achei o teu blog.Por curiosidade resolvi dar uma olhada e a-d-o-r-e-i…Os comentarios sobre cada frase da musica são maravilhosos,tem um pouco de cada um de nós.Adoro gente que sabe escrever…Virei fã…Vou sempre ler seu blog…
    Abraços meu camarada…

  • Tina disse:

    Kadu, resolvi tirar um tempinho para ler todos os post do blog q nunca consigo ler, e a cada leitura me impressiono mais. Realmente a lista tb mexe comigo, ja fiz essa reflexao, as vezes é ate dolorida, ainda mais quando se está longe, assim como vc.
    Parabens pelo blog, esta cada vez melhor!! bjos

Deixe o seu comentário!

Escreva o seu comentário, ou trackback do seu próprio site. Você também pode se inscrever via RSS.

Enfim, fique à vontade. Sinta-se em casa e dê a sua opinião sobre este texto. Mas, 'pelamordedeus' nada de spam!

Se quiser, você pode usar estas tags no seu cometário:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Este blog permite Gravatar. Para Conseguir seu próprio avatar, registre-se em Gravatar.

</div>