Filosofia

>> Sentido da Vida >> Verdade >> Razão >> Religião

Idiossincrasia

>> Politicamente Incorreto >> Máximas Kaduzianas >>

Mixórdia

>> Tudo o que não se encaixa nos demais temas deste blog

Poesia

>> Poesias que rabisquei ao longo da vida

Tecnologia

>> Tendências >> Google >> Gadgets >> Informática

Home » Textos por Tags

Textos indexados como: Uma pensata

O sol doira sem literatura*
domingo, 18 abr, 2010 – 1:58 | Sem Comentários
O sol doira sem literatura*

Não gosto de ler. Ler me cansa. Entedia. Enfada. Faz cinco anos que não leio um romance. Devo ser o primeiro jornalista a assumir isso publicamente. À parte disso sou um leitor contumaz. Leio mais que a maioria dos mortais. Mas não leio por distração. Tampouco por entretenimento. Para me divertir prefiro ir à praia, ao cinema, ao Maracanã, a um bom restaurante, jogar futebol, viajar, azarar, comer, beber, transar. Enfim, há uma lista enorme de coisas que me aprazem mais do que ler.

Sobre o direito de fumar
quarta-feira, 2 set, 2009 – 15:34 | Sem Comentários
Sobre o direito de fumar

A lei antifumo é uma afronta às liberdades individuais e à propriedade privada. A discussão que se faz necessária não é sobre sobre os malefícios do cigarro mas, sim, sobre o tipo de Estado que queremos ter.

Uma pensata – Vontade x Realidade
segunda-feira, 22 dez, 2008 – 2:31 | Sem Comentários
Uma pensata – Vontade x Realidade

Assim como Bryan Magee contou em seu livro Confissões de um Filósofo, eu também já perdi a conta de quantas vezes ouvi o argumento de que é impossível não haver um significado para a nossa existência, pois uma vida sem objetivo nem sentido seria intolerável. “Quando eu ponderava: ‘Mas pode ser que não haja mesmo nenhuma importância em nada; afinal de contas, sabemos que existem muitas coisas que não nos agradam, às vezes…

Uma pensata – The End
quinta-feira, 13 nov, 2008 – 0:08 | Um Comentário
Uma pensata – The End

Se eu chegar consciente aos meus últimos minutos de vida será inevitável deparar com a pergunta: “Que diferença fez tudo isso que eu vivi?”. Então, morrerei. Deixando a pergunta em aberto. Não mais pensarei, pararei de chorar, de sorrir, de sofrer. Familiares e amigos sofrerão por um tempo. Depois, morrerão também. E minha vida cairá no esquecimento das vidas vindouras.

</div>